segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Macaé realiza teste para prevenção às DSTs


Foram oferecidas testagem para HIV, sífilis e hepatites B e C. Das 52 pessoas que fizeram os testes,
apenas uma apresentou caso positivo para sífilis. Isabel explica que a paciente foi encaminhada ao setor ambulatorial do programa. "A paciente fará um novo exame, o VDRL, para saber a fração da bactéria Treponema pallidum e, desta forma, iniciar o tratamento", informou, acrescentando que a sífilis tem cura, mas o uso do preservativo nas relações sexuais é o meio mais simples, confiável e barato de se prevenir.

"Mais importante que fazer a testagem é se prevenir através do uso da camisinha". A afirmação é da assistente social e diretora técnica do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) do Programa DST/AIDS de Macaé, Isabel Alves, durante o trabalho do CTA Itinerante no Bairro Nova Holanda.


Ela lembrou que tem que tratar também o parceiro, para a quebra da cadeia de transmissão. "O teste é um instrumento importante ainda para a prevenção da transmissão vertical da sífilis em gestantes", frisou. A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado, por transfusão de sangue contaminado, ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto.

Manifestação - A sífilis pode se manifestar em três estágios. Os principais sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O primeiro é uma pequena ferida no órgão genital e caroços nas virilhas, que surgem em três semanas após o contágio. A ferida não apresenta dor, coceira, ardência ou pus. Mesmo sem tratamento, as feridas podem desaparecer sem cicatriz, mas a pessoa continua doente. Após seis semanas podem surgir manchas no corpo e queda dos cabelos. A pessoa pode ficar sem sintoma de 3 a 12 anos, quando surgim complicações ósseas, neurológicas e cardíacas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário