terça-feira, 15 de outubro de 2013

Ventos fortes trazem prejuízos para pescadores de Farol e SJB

Os ventos fortes que atingem a região já trazem prejuízos para quem precisa do mar para sustentar a família.
Em São João da Barra nenhum pescador se arriscou a colocar o barco na água nesta segunda-feira (14/10). Já em Farol uma minoria resolveu arriscar, mas próximo ao litoral. Segundo a meteorologia, a intensidade dos ventos deve diminuir até o final da semana.
Segundo o diretor secretário da Colônia de Pescadores de Farol de São Thomé, Genivaldo Sales, nesta segunda-feira das 128 embarcações que atuam no litoral campista, apenas 10% foi para o mar.
“Nós orientamos para que os pescadores não se arrisquem. Aqui é feita a pesca do camarão em alto mar, mas com os ventos fortes os pescadores ficam mais perto da costa e quando não encontram o produto retornam. Para a captura é preciso fazer uma volta a favor do vento e outra contra e é nessa manobra, nessa volta que a embarcação faz, que o barco fica a deriva”, disse.
O diretor informou ainda que a previsão é de que esses ventos fortes continuem no litoral campista até esta terça-feira (15/10).
Já em Atafona, litoral de São João da Barra, dos 700 pescadores ligados à colônia ninguém se arriscou a entrar no mar. As 400 embarcações devem ficar ancoradas até a próxima sexta-feira (18/10).
De acordo a Colônia de Pescadores do município, cada dia bom para a pesca rende de 200 a 300 quilos de camarão, o que representa R$ 500 de prejuízo com o barco parado.
PREVISÃO
O técnico em meteorologia, Carlos Augusto Souto, explica que o vento é causado pela movimentação do ar e pode variar de brisa a uma ventania.
“A diferença na intensidade é definida pela diferença na pressão atmosférica de uma área de baixa perto de outra com alta velocidade. A maior proximidade entre elas e a pressão das duas também influencia”, explicou.
O especialista disse ainda que no Brasil os ventos fortes são causados pela ação do centro de alta pressão do Atlântico Sul. “Esse centro fica no mar, mas quando se aproxima uma frente fria com baixa pressão a velocidade aumenta, já que é grande a diferença de temperatura nos dois pontos”, falou.
Souto ressalta que a estação com maior incidência de ventos fortes é o verão, mas a região Norte do Estado é privilegiada com a ação do vento durante boa parte do ano. Um exemplo a ser citado foi à instalação das torres de captação de vento no Parque Eólico de Gargau, em São Francisco de Itabapoana.
“Com a chegada das frentes frias acontece o deslocamento do centro de alta pressão do Atlântico Sul para o leste, o litoral. Está prevista para esta semana a chegada de outra frente fria, com massa de ar frio. Essa massa que está na região vai lentamente jogando o centro de alta pressão de volta para o mar”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário